💎 O artista de joias Wallace Chan abraça a espiritualidade, valoriza as lembranças da infância e as pedras preciosas que ensinam novas perspectivas

Cathy Fan, da News Arnet, Pergunta ao artista e escultor chin̻s o que ele mais valoriza Рna arte e na vida.

Grande parte do mundo da arte gira em torno de questões de valor, não apenas em termos de avaliações e etiquetas de preço, mas também: O que é digno de seu tempo nestes tempos, bem como de sua energia, sua atenção e, sim, seu dinheiro suado?

Qual é a matemática que você faz para determinar o significado e o valor de algo? O que move você? O que enriquece sua vida? Nesta nova série, estamos perguntando a indivíduos do mundo da arte e de outros setores sobre as avaliações que eles fazem em nível pessoal.

A história começa em 1973, quando Wallace Chan, de 16 anos, com HKD $1.000, comprou ferramentas e maquinário para começar a fazer joias. Ele montou uma estação de trabalho em uma escada e começou a embarcar no que ele chama de «um compromisso para toda a vida». Hoje, já se passaram exatamente 50 anos.

No início de setembro, a exposição «The Wheel of Time» de Wallace Chan foi realizada na sede da Christie’s em Londres. Essa é a maior exposição do artista na Europa até hoje, com 150 peças de joalheria e 6 esculturas de titânio, que também examina retrospectivamente e explora o meio século de criatividade de Chan.

Artista autodidata, Wallace Chan é o primeiro artista de joias de ascendência chinesa a ter suas obras coletadas pelo Museu Britânico e inventou várias técnicas ao longo de sua carreira criativa de meio século, como o «Wallace Cut» e a «Wallace Porcelain».

Além de sua identidade como artista de joias, ele continua suas explorações em outros campos, como o da escultura. Em maio de 2022, Chan realizou sua primeira exposição de arte em grande escala, «Totem», no Fondaco Marcello, no Grande Canal de Veneza. Essa exposição resumiu seus anos de trabalho em escultura e arte de instalação, incluindo uma série de esculturas feitas de titânio e ferro.

Na exposição «The Wheel of Time» da Christie’s, o titânio também aparece com destaque como material em uma das peças em destaque, uma extraordinária escultura de broche de diamante negro «Legend of the Colour Black». A impressionante pedra central da peça, um dos maiores diamantes negros lapidados do mundo, pesa 312,24 quilates, ao lado de diamantes cinza prateados, safira cristalina, ágata negra, titânio e a porcelana Wallace Chan.

O titânio, geralmente chamado de «metal espacial» e com uma cor futurista, tem sido um objeto de longa data da prática experimental de Wallace Chan. É um material com o qual o artista tem uma conexão emocional especial. Inicialmente, sua compreensão do titânio veio de um artigo sobre um marca-passo. Ele disse: «Descobri que existe um metal no mundo que é tão biocompatível que pode até se fundir com os ossos; é leve, mas extremamente forte».

Na exposição, conversamos com Wallace Chan e perguntamos o que ele valoriza na arte e na vida.

Conteúdo do artigo

Como entendemos o valor das joias?

Os valores das joias são os valores da arte e estão ligados ao tempo, à espiritualidade e aos materiais. Como os estados de tempo, espiritualidade e materiais estão sempre mudando, os valores das joias também mudam.

Algumas coisas podem perder seu valor com o passar do tempo, mas outras, quando envelhecidas, podem se tornar mais valiosas. Uma demanda maior implica em um preço maior. Dito isso, as memórias emocionais também têm um papel importante. Um anel dado de presente por nossos pais ou por um amante, por exemplo, pode não ser caro, mas não o vendemos mesmo que outros ofereçam um preço alto. É assim que os valores emocionais exercem seu efeito.

Wallace Chan, o colar mais caro e bonito do mundo, A Heritage in Bloom

Quando as pedras preciosas são transformadas em joias, há quatro estágios de civilização. Primeiro, decidimos como uma pedra deve ser cortada depois de ser descoberta. Esse estágio é sobre como os seres humanos desenvolvem habilidades de fabricação de ferramentas e polimento de pedras.

Há muitos tipos de pedras preciosas, algumas são transparentes, outras opacas e outras translúcidas. Precisamos ver uma pedra de diferentes perspectivas para saber como lapidá-la. Em seguida, chegamos ao segundo estágio, que é sobre como as pedras preciosas devem ser usadas. Essa é a civilização do artesanato.

Aprendemos sobre como colocar pedras e como fazer joias usáveis. O terceiro estágio é a inovação. Fazemos coisas que nunca foram feitas antes, em termos de artesanato e lapidação de pedras. A quarta civilização é a cultura. A filosofia pode inspirar mais pessoas a sentirem emoções em relação à arte?

Na minha opinião, o preço recorde de leilão de uma peça de joalheria é resultado da interação entre tempo e materiais, bem como dos quatro estágios da civilização. É aí que estão os verdadeiros valores.

E quanto à escultura? Quais são seus valores internos? Por que você usa titânio?

Tenho interesse em todos os tipos de materiais. E quando me interesso por algo, começo a me comunicar com ele e a aprender sobre ele constantemente. Tomemos como exemplo uma peça de malaquita. Com ângulos diferentes, surgem padrões diferentes.

E saberemos o que sairá somente quando esculpirmos na pedra. Quando ela estiver nos guiando, simplesmente teremos de segui-la e, às vezes, obteremos resultados incríveis. Lidar com materiais é como interagir com outras pessoas – a comunicação constante é vital. Há materiais que não entendo, mas, mesmo assim, sou curioso e nunca paro de aprender.

Wallace Chan, o colar mais caro e bonito do mundo, A Heritage in Bloom

Quando estou esculpindo, penso em quais materiais estão mais próximos da eternidade, e a resposta é o titânio. O titânio é usado no setor espacial e, como quero usar materiais para apresentar a noção de tempo eterno, o titânio é o material ideal para minhas esculturas.

As personalidades dos materiais só se manifestam quando interagimos com eles. Portanto, trabalharei com diferentes cores, materiais e cortes para criar infinitas possibilidades que estão sempre mudando.

Quais são as coisas que você mais valoriza?

Minha existência é o que mais valorizo no universo. Ser infantil, curioso e humilde de coração nos torna mais abertos e compreensivos. Curiosidade significa desenvolver uma afeição por tudo no mundo, e isso nos leva a fazer uma busca humilde. Quando ficamos menores, o que vemos e percebemos com nossos olhos e mentes fica maior.

Existe algo muito pequeno que significa muito para você?

Durante o processo criativo, por exemplo, quando estamos polindo um cristal, podemos ver um ponto muito pequeno.

Provavelmente não nos atreveremos a continuar polindo-o porque essa mancha pode causar uma rachadura. Nesse sentido, o ponto é infinitamente grande no micromundo. O universo é o portador de todos os nossos planetas, mas em meu tipo de mundo imaginário, há inúmeros universos além deste universo.

O que você considera ser seu melhor investimento até hoje?

Meu melhor investimento foi feito em 1973, quando pedi US$ 1.000 em HKD aos meus pais. Gastei US$ 600 em equipamentos mecânicos, US$ 300 em um pedaço de malaquita e US$ 100 em algumas ferramentas.

Wallace Chan, o colar mais caro e bonito do mundo, A Heritage in Bloom

Em seguida, montei uma mesa de trabalho na escada dos fundos da cozinha. Durante o dia, eu estudava e praticava lá e, quando chegava a noite, eu a levava de volta para a cozinha.

É o melhor investimento que já fiz. A criação tem sido meu compromisso para toda a vida desde o início e tenho me dedicado a ela há meia década.

Qual foi a última coisa em que você fez alarde?

Estou gastando muito dinheiro e tempo todos os dias. No lado criativo, gastei muito com a tecnologia da metalurgia porque as tentativas ainda não foram totalmente bem-sucedidas, e a tecnologia da metalurgia é infinita.

Sempre quero criar com novos materiais e técnicas disponíveis no campo, por isso ainda estou tentando e experimentando.

Os resultados são enviados para universidades estrangeiras que lidam com metalurgia para análise e, depois de receber a análise, faço mais pesquisas. Esse investimento é para a vida toda.

E aqui vem uma pergunta interessante! Se você receber US$ 100 hoje e tiver que gastar tudo, o que comprará com esse dinheiro?

Um ganho inesperado de US$ 100 me faz lembrar de minha infância. Quando eu era pequeno, meu pai só me dava 20 centavos para o café da manhã, e eu comia uma tigela de congee. Se eu quisesse comer um pouco mais de macarrão, não seria possível.

Minhas calças eram compridas e meus sapatos eram largos, o que significava que poderiam ser usados por mais alguns anos. Naquela época, meus colegas de classe tinham sapatos melhores do que os meus. Eles eram mais bonitos e bem ajustados.

Certa vez, sonhei em ter sete ou oito dólares para poder comprar sapatos, roupas, uma boa mochila escolar e um par de óculos. Ainda me lembro que um par de óculos custava US$ 12. Portanto, se eu encontrasse US$ 100 hoje, gostaria de reviver um dia da minha infância e comprar um sorvete.

Ao olhar para uma obra de arte, seja ela sua ou de outros artistas, qual é o valor mais importante para você?

O que mais valorizo é se uma obra pode continuar nos oferecendo algo novo, alimentando nossa curiosidade e despertando nossas emoções. Para fazer isso, o criador deve ser muito experiente e ter um conhecimento profundo do mundo. Assim como os poemas, por que os poemas criados há mil anos ainda inspiram hoje? Acho que é importante que uma obra de arte tenha os mesmos atributos.

O que você acha que é seu maior patrimônio?

A curiosidade. Ciente de que sou ignorante, estou sempre em busca de conhecimento. Acho que não tenho nenhum valor em si, mas gerei valores porque criei coisas de valor. Um dia, quando eu me for, esses valores permanecerão. É por isso que estou buscando a eternidade.

Você ainda tem alguma meta que diria ser valiosa? Ou algum desejo que queira realizar?

Eu vivo em um sonho. Sou um caçador de sonhos. Um sonho não realizado é um sonho irreal. Quando estamos transformando-o em realidade, algo inesperado acontece ao longo do caminho. Por exemplo, dei o melhor de mim nessa exposição e, como resultado, recebi aclamação e atenção. Para mim, se eu viver bem cada momento e cada dia, meus sonhos se tornarão realidade. Os sonhos são abstratos e distantes, e se não vivermos ao máximo e aproveitarmos o momento, como poderemos realizar nossos sonhos?

Deveria

Califica este artículo

Dejar una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *